Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Comunidade

A Luta de Adriana Morita: Protetora de Animais Abandonados em Okinawa

Enquanto o Japão se destaca pelo amor aos pets, a realidade na ilha revela um cenário de hostilidade e perseguição contra aqueles que defendem os animais desamparados

A Luta de Adriana Morita: Protetora de Animais Abandonados em Okinawa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Nos cenários paradisíacos de Okinawa, onde as belas praias e paisagens cinematográficas encantam os olhos dos visitantes, uma batalha silenciosa acontece. Adriana Morita(53) brasileira, casada com o japonês Eiichi Morita(71) voluntariamente dedica sua vida ao cuidado e acolhimento de cães e gatos abandonados na ilha.

Em um país conhecido pelo amor aos animais de estimação, a situação dos bichinhos em Okinawa surpreende. Mas mais surpreendente ainda é a hostilização enfrentada por Adriana, não apenas por seus vizinhos, mas também pelas autoridades locais.

Apesar de possuir autorização da prefeitura e toda a infraestrutura necessária para cuidar dos animais, Adriana é alvo de perseguições constantes. Ela arca com os gastos diários de alimentação e cuidados veterinários, mas sua dedicação não é suficiente para protegê-la da violência e da injustiça.

Adriana relatou a recusa ou inércia dos órgãos públicos em resgatar duas cadelas e um machinho em situação de abandono.

A indignação atingiu seu ápice ao testemunhar o sacrifício de um cachorro em uma câmara de gás. Segundo o órgão Aigo Center, o animal teria sido considerado agressivo. No entanto, Adriana contesta veementemente esse argumento, destacando que o órgão protetor nem mesmo procurou investigar o ocorrido.

Para Adriana, a decisão de sacrificar o cachorro foi tomada de forma precipitada, baseada apenas em um telefonema de um vizinho. Ela questiona a falta de investigação e cuidado por parte das autoridades, lamentando a trágica consequência para o animal indefeso.

O cão sacrificado pelo órgão Aigo Center

Voluntária pediu para ficar com o cão para adaptação, vendo que o cachorrinho era um cachorro tranquilo

Momento registrado do sacrifício dos cães em câmara de gás

A RPJ acompanhou de perto a situação de Adriana, passando três dias ao seu lado, colaborando com as autoridades locais e entidades de proteção aos animais. Durante esse tempo, Adriana compartilhou relatos chocantes de abordagens agressivas por parte da polícia, inclusive sendo agredida dentro de uma viatura, e até mesmo sendo arrastada por um casal nas ruas, sendo salva por uma taxista.

Diante de tamanha injustiça e violência, Adriana Morita procurou a RPJ em busca de ajuda e para dar voz ao seu pedido de socorro. Sua mensagem ressoa não apenas em Okinawa, mas em todo o mundo, clamando por atenção e ação para a situação dos animais abandonados na ilha.

A falta de transparência e compaixão por parte das autoridades locais. Segundo seus relatos, tanto a prefeitura quanto o Aigo Center instruem a trazer os animais abandonados para suas instalações. No entanto, omitem uma informação crucial: o destino fatal que aguarda esses animais em apenas uma semana, caso não sejam adotados. Porem, no caso do cachorrinho apareceu uma japonesa querendo adota-lo, mas o órgão argumentou que o cão era perigoso.

Segunda parte da matéria 

A descoberta desse horrível desfecho, a câmara de gás, chocou Adriana e a comunidade que ela representa. Ela questiona como é possível que as autoridades locais ajam dessa forma, sem considerar alternativas humanitárias ou fornecer recursos adequados para garantir o bem-estar dos animais.

 Órgãos citados na matéria 

-Prefeitura de Okinawa-098-866-2333
-(Edifício de Promoção da Adoção do Centro de Gerenciamento e Bem-Estar Animal da Prefeitura de Okinawa)098 945 8812
 

Fonte/Créditos: Da redação

Créditos (Imagem de capa): RPJNEWS

Comentários: