Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Saúde

Apenas 57% dos Japoneses se Sentem 'Felizes': Revela Pesquisa

Taxa de Felicidade no Japão é a Terceira Mais Baixa entre 30 Países

Apenas 57% dos Japoneses se Sentem 'Felizes': Revela Pesquisa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Uma pesquisa conduzida pela empresa francesa de opinião pública Ipsos SA revelou que apenas 57 por cento dos japoneses se sentem felizes, marcando a terceira taxa mais baixa entre os 30 países pesquisados.

O relatório intitulado "Felicidade Global 2024" também apontou uma tendência descendente no Japão, com a taxa de felicidade caindo 13 pontos percentuais desde 2011, quando estava em 70%. A Ipsos KK, braço japonês da empresa, comentou que essa queda pode ser atribuída a vários fatores, incluindo desconfiança política, conflitos, desastres naturais e a propagação contínua do coronavírus.

A pesquisa, realizada principalmente online entre dezembro de 2023 e janeiro de 2024, abrangeu cerca de 23 mil pessoas com idades entre 16 e 74 anos em 30 países, incluindo os Estados Unidos. No Japão, aproximadamente 2.000 pessoas participaram.

Os entrevistados foram solicitados a escolher entre quatro opções de felicidade: "muito feliz", "bastante feliz", "não muito feliz" e "nada feliz". No Japão, 57% selecionaram "muito feliz" ou "bastante feliz". Países como Países Baixos, México e Indonésia lideraram as classificações, enquanto a Coreia do Sul e a Hungria registraram as taxas mais baixas.

Em 17 dos 30 aspectos relacionados à felicidade, o Japão ficou em último lugar na porcentagem de entrevistados que se disseram "satisfeitos", incluindo áreas como amizades, trabalho e situação financeira.

A Ipsos KK acredita que fatores como longas horas de trabalho, pressão social e envelhecimento da população podem contribuir para o baixo nível de felicidade entre os japoneses. Além disso, a pesquisa revelou que a porcentagem de japoneses felizes é ainda mais baixa entre os nascidos entre 1966 e 1979, com 49%.

A subsidiária japonesa da Ipsos observou que esse declínio na felicidade pode refletir tendências globais, com a saúde física afetando a saúde mental, bem como questões relacionadas a casamento, paternidade, cuidados familiares e mudanças no ambiente de trabalho.

 
 
 
 
 

Fonte/Créditos: Ipsos KK

Comentários: