Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Economia

Escassez de motoristas de caminhões abre oportunidade para brasileiros

Japão abordará escassez de motoristas de caminhões em novo pacote econômico

Escassez de motoristas de caminhões abre oportunidade para brasileiros
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O governo do Japão disse que adicionará, a um novo pacote econômico, um conjunto de medidas para lidar com a escassez de motoristas de caminhões em todo o Japão. As diretrizes vêm em resposta às restrições de horas extras dos motoristas que serão implementadas a partir de abril de 2024.

Essas regulamentações deverão piorar a situação de escassez de motoristas e possivelmente reduzirão o volume de expedição de produtos no país. Alguns temem que, em 2030, o volume de mercadorias despachadas possa ter uma queda de mais de 30%.

Muitos trabalhadores brasileiros estão sendo contratados por empresas de transporte, o momento é bom para investir na carta. Para orientar quem pretende transferir a habilitação ou até mesmo adquirir do começo aqui no Japão, conversarmos com o diretor da Strada Driving School Manoel Santos.

Algumas das medidas elaboradas pelos ministros do Gabinete promovem uma mudança para uma maior dependência em navios e ferrovias. A meta é dobrar o despacho de mercadorias por esses meios nos próximos 10 anos.

Outra medida promove o estabelecimento de um tamanho padrão de contêiner compatível com caminhões, navios e trens.

Além disso, sob uma outra nova medida, o governo testará um serviço que concede pontos às pessoas que recebem seus pacotes na primeira tentativa de entrega. A prática das empresas de entrega de encomendas de fazer tentativas de reentrega quando os destinatários não estão disponíveis está sendo, atualmente, um grande fardo para o setor. Em abril de 2024, as horas extras para caminhões e outros motoristas serão limitadas a 960 horas por ano, gerando preocupações de que a escassez de trabalhadores no setor se agrave ainda mais.

 

 

Comentários: