Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Policial

Escrivães de Sendai são presos por falsificarem documentos

Acusados de apresentar documentos falsos de registros de construção para mais de 40 empresas diferentes ao longo de pelo menos sete anos.

Escrivães de Sendai são presos por falsificarem documentos
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Três escrivães administrativos foram presos pela polícia sob suspeita de violar a Lei de Negócios de Construção ao apresentar documentos falsos à Prefeitura de Miyagi para obter licenças de construção de forma fraudulenta.

Os suspeitos são Yoshimasa Iwasa,70 anos, um escrivão administrativo de 43 anos, e um funcionário de 56 anos do Escritório Administrativo de Taihaku, no distrito de Taihaku, em Sendai.

Eles são acusados de apresentar documentos falsos de registros de construção para mais de 40 empresas diferentes ao longo de pelo menos sete anos.

Os três suspeitos admitiram as acusações após serem interrogados pela polícia.

Após receber informações da prefeitura, a polícia prendeu os três suspeitos e realizou uma busca no escritório relacionado ao caso.

De acordo com a polícia, os escrivães administrativos solicitaram autorização para obras de três construtoras na cidade de Sendai entre 2020 e 2021. Eles apresentaram à prefeitura documentos falsos contendo registros de construção, resultando na obtenção fraudulenta de autorização. Essas ações levantam suspeitas de violação da Lei da Indústria da Construção.

Os três suspeitos admitiram as acusações após serem confrontados pela polícia durante a investigação.

Além disso, a investigação revelou suspeitas de que a empresa envolvida tenha obtido repetidamente aplicações fraudulentas de mais de 40 empresas durante pelo menos sete anos. A polícia está atualmente investigando esses detalhes para entender a extensão total da fraude.

No dia 14, em resposta à investigação em curso, os três suspeitos foram presos e o escritório relacionado ao caso foi revistado pela polícia.

Comentários: