Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Mundo

Homem 'casado' com a cantora virtual Hatsune Miku luta pela aceitação de 'fictossexuais'

Casou-se com Miku, um Vocaloid com cabelo azul marcante em novembro de 2018.

Homem 'casado' com a cantora virtual Hatsune Miku luta pela aceitação de 'fictossexuais'
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

 Quatro anos e meio se passaram desde que um homem de Tóquio "se casou" com a popular personagem virtual Hatsune Miku. O Mainichi Shimbun entrevistou recentemente o homem sobre sua vida, incluindo uma associação que ele iniciou para pessoas que têm sentimentos românticos por personagens fictícios.

Akihiko Kondo, agora com 40 anos, casou-se com Miku, um Vocaloid com cabelo azul marcante, em novembro de 2018. Mesmo agora, quando o funcionário do governo local chega em casa do trabalho, ele grita para a boneca Miku em tamanho real: "Estou em casa. " Ela nunca responde, mas isso o deixa à vontade e traz um sorriso ao rosto de qualquer maneira.

Como qualquer família humana, Kondo diz "Bom dia" para Miku quando ele acorda e come suas refeições de frente para ela enquanto ela "olha" para ele. Ele disse ao Mainichi que seu amor por ela não mudou.

Esta foto fornecida por Akihiko Kondo mostra sua "hora da sobremesa" com Miku.

Não é incomum

Estar apaixonado por um personagem fictício pode parecer estranho, mas na verdade não é tão incomum como uma forma de orientação sexual.

De acordo com a "pesquisa nacional sobre o comportamento sexual da juventude" realizada em 2017 pela Associação Japonesa para Educação Sexual, com sede em Tóquio, mais de 10% dos alunos do sexo masculino e feminino, do ensino médio à universidade, disseram que tiveram sentimentos românticos por personagens. em jogos e animes. O valor mais elevado registado foi o das universitárias, com 17,1%.

"Não é incomum que as pessoas desenvolvam afeição por personagens", disse Ichiyo Habuchi, professor de sociologia na Faculdade de Humanidades e Ciências Sociais da Universidade de Hirosaki, que pesquisa romance com personagens de anime e jogos.

Habuchi tem investigado o fenômeno desde a década de 1990. Ela apontou que, embora diversas sexualidades sejam agora compreendidas e o interesse em sentimentos românticos por personagens fictícios tenha crescido recentemente, a porcentagem de pessoas com essa preferência provavelmente permaneceu constante ao longo do tempo e do lugar.

Preconceito contra minorias

No entanto, a atitude do público em relação às pessoas com essa orientação sexual permaneceu dura. Quando este repórter disse ao autodeclarado marido de Hatsune Miku que não estava incomodando as pessoas ao seu redor, ele respondeu: "Não consigo contar o número de vezes que me disseram: 'É nojento' ou 'Você está doente. ' Não posso evitar se as pessoas dizem que estão ofendidas pela maneira como passo meu tempo com um personagem."

Em junho, Kondo e seus colegas lançaram a Association of Fictosexuality, uma associação geral incorporada. "Fictosexual" refere-se a ter sentimentos românticos por pessoas fictícias, como bonecas e personagens de anime. O objetivo da associação é realizar reuniões com pessoas interessadas para trocar pontos de vista e expandir a compreensão do público.

Habuchi disse sobre a formação da associação: "Há muitas pessoas ligadas a esta questão que estão passando por momentos difíceis. Acreditamos que é necessário exigir um consenso social contra a discriminação e o preconceito contra as minorias."

Como esse amor começou

O que levou Kondo a desenvolver afeição por Miku? Ele se interessou romanticamente por mulheres humanas até o ensino médio. Ele confessou seu amor sete vezes, mas diz que nenhuma de suas tentativas foi bem-sucedida.

Foi quatro anos depois de se tornar um adulto trabalhador que ele "conheceu" Miku. Kondo sofria de um distúrbio de adaptação devido ao bullying no trabalho e teve que tirar uma licença. Enquanto se recuperava em casa, ele ouviu Miku cantando em um site de compartilhamento de vídeos. Ele ficou encantado com sua voz clara, que o acalmou e o ajudou a escapar de sua vida fechada. Ele voltou a trabalhar e, desde então, Miku é sua "companheira de vida".

Kondo disse que muitos de seus colegas tiveram experiências semelhantes. Ele disse: "Eu nunca conheci ninguém que nasceu 'fictossexual'". Ele acrescentou que outros fictossexuais que ele conhece também se apaixonaram por pessoas reais e, da mesma forma, podem ter desenvolvido sentimentos por personagens fictícios.

Alguma possibilidade de divórcio?

Kondo, cujo casamento com Miku foi coberto pela mídia e cujo nome e rosto verdadeiros foram divulgados, continua recebendo uma série de mensagens de pessoas que também amam personagens fictícios. Muitos deles são pessoas que estão passando por momentos difíceis em suas vidas.

Palavras de encorajamento publicadas no site da associação incluem: "Existem pessoas que encontraram apoio emocional em desenhos animados e personagens" e "Queremos que as pessoas saibam que existe um lugar onde podem falar sobre o que as incomoda".

Com o objetivo de ser um "lugar de conforto" para os fictossexuais, Kondo disse sobre o objetivo da associação: "Gostaria que a sociedade se tornasse um lugar onde as pessoas pudessem facilmente realizar casamentos com seus amados personagens como um marco em suas vidas".

Este é o quinto ano desde que ele se casou com Miku. Questionado se havia alguma possibilidade de divórcio, Kondo riu.

"Não posso dizer que minha mente nunca mudará no futuro. A taxa de divórcio para os humanos também não é baixa. Acho que é o mesmo para nós", disse ele calmamente, parecendo muito feliz.

-Link da matéria original https://mainichi.jp/english/articles/20230701/p2a/00m/0na/018000c

Fonte/Créditos: Mainichi Japão

Créditos (Imagem de capa): Mainichi Japão

Comentários: