Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Policial

Homem pega 20 anos pelo assassinato de policial em 1971, após 45 anos de foragido

Foi condenado a 20 anos de prisão por matar um policial, entre outras acusações, durante um motim em Tóquio em 1971

Homem pega 20 anos pelo assassinato de policial em 1971, após 45 anos de foragido
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Um tribunal japonês condenou na sexta-feira um ativista de extrema esquerda de 74 anos, que estava foragido há décadas, a 20 anos de prisão por matar um policial, entre outras acusações, durante um motim em Tóquio em 1971.

A decisão do Tribunal Distrital de Tóquio ocorreu depois de Masaaki Osaka negar todas as acusações, enquanto os promotores pediam prisão perpétua. Ele foi preso em 2017, marcando o fim de seus 45 anos de fuga.

De acordo com a decisão, Osaka matou o policial durante um protesto com estudantes e outros ativistas em 14 de novembro de 1971, no distrito de Shibuya, em Tóquio, contra a ratificação do tratado Japão-EUA sobre a reversão de Okinawa.

Ele também foi condenado por ferir outros três policiais e atear fogo a uma delegacia.

O tribunal disse que o ataque fatal ao oficial com canos de aço e coquetéis molotov foi “cruel e cruel” e que Osaka não poderia “evitar duras críticas” por seus anos de fuga.

A equipe de defesa de Osaka recorreu da decisão no mesmo dia.

O julgamento, que começou em Outubro do ano passado, demorou mais de um ano a ser concluído devido à necessidade de comparar os depoimentos prestados em tribunal com as confissões e depoimentos de testemunhas recolhidos no momento do acontecimento para estabelecer a consistência e fiabilidade das provas.

Durante o julgamento, Osaka admitiu ter participado do motim, mas negou envolvimento na morte do policial. Ele se recusou a falar sobre qualquer ajuda que recebeu durante sua vida como fugitivo.

O julgamento foi realizado sem juízes leigos devido ao facto de tribunais e civis terem sido anteriormente alvo de ativistas de extrema esquerda.

Fonte/Créditos: KYODO

Comentários: