Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Policial

Uma mãe de 61 anos ataca o próprio filho com uma arma branca

Miriam Fumyo Suzuki, teria esfaqueado seu filho nas costas com a intenção de tirar-lhe a vida

Uma mãe de 61 anos ataca o próprio filho com uma arma branca
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Uma brasileira de 61 anos foi detida sob acusação de tentativa de homicídio contra seu próprio filho de 30 anos. Segundo as informações divulgadas pelas emissoras locais, o incidente ocorreu na manhã desta quarta-feira (1). 

A mãe identificada como Miriam Fumyo Suzuki, teria esfaqueado seu filho nas costas com a intenção de tirar-lhe a vida. O filho conseguiu ligar para o número de emergência que foi prontamente socorrido pelos bombeiros e levado para um hospital no distrito de Suwa, apesar da gravidade da agressão, a vítima não corre risco de morte. 

A polícia foi notificada pelos bombeiros e agiu rapidamente, encontrando a suspeita em frente à sua residência. Ela foi presa em flagrante por tentativa de homicídio.

Até o momento, não foram divulgados os motivos por trás do ataque e as autoridades também não revelaram se a acusada admitiu ou negou as alegações.  A polícia está investigando o caso, que está sob a responsabilidade da delegacia de polícia de Chino, Nagano.

A violência em família é um problema sério no Japão, assim como em diversos outros países.

Ela pode abranger uma ampla gama de abusos, incluindo físicos, emocionais e sexuais. Infelizmente, muitos casos de violência doméstica permanecem ocultos e não são denunciados devido ao medo, à vergonha e à dependência econômica e emocional dos agressores.

O governo japonês tem buscado combater essa problemática através de medidas preventivas e políticas públicas. Diversas organizações não governamentais também estão envolvidas na luta contra a violência em famílias, oferecendo apoio e recursos para as vítimas, no entanto, é evidente que há ainda muito a ser feito.

É fundamental que as vítimas saibam que não estão sozinhas, e que existem mecanismos de apoio para ajuda-las a sair dessa situação.

Além disso, é necessário um trabalho maior na desconstrução dos estereótipos de gênero, que muitas vezes contribuem para a perpetuação da violência em famílias.

A violência em família transcende fronteiras e culturas e não pode ser tolerada em nenhuma sociedade. 

Por Beto Nagaki

Créditos (Imagem de capa): RPJNEWS

Comentários: