Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Mundo

Presidente iraniano, Ebrahim Raisi, condenou o ataque com mísseis israelenses à capital síria

Raisi prometeu que o Irã fará retaliação, dizendo que tais atos “covardes” não ficarão sem resposta.

Presidente iraniano, Ebrahim Raisi, condenou o ataque com mísseis israelenses à capital síria
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Presidente iraniano, Ebrahim Raisi, condenou o ataque com mísseis israelenses à capital síria, Damasco, que resultou na morte de cinco membros da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã. Raisi expressou veemente condenação e prometeu retaliação, caracterizando os ataques como "covardes" e afirmando que o Irã não deixará tais atos sem resposta.

Além disso, o presidente iraniano destacou que o ataque representou uma violação do espaço aéreo sírio e infringiu as leis humanas e internacionais. Ele argumentou que o incidente é uma mancha no histórico dos governos que se autodenominam defensores dos direitos humanos.

Ministério da Defesa sírio indicam que o ataque atribuído a Israel ocorreu às 10h20, horário local, e teve como alvo um edifício residencial no bairro de Mazzeh, em Damasco. O comunicado destaca que as defesas sírias foram capazes de interceptar e abater com sucesso "uma série de mísseis inimigos".

A recusa por parte dos militares israelenses em comentar as alegações iranianas e sírias sobre sua responsabilidade no ataque é uma resposta comum em situações desse tipo. Muitas vezes, os militares preferem não confirmar nem negar diretamente envolvimento em operações específicas, especialmente quando se trata de operações sensíveis ou estratégicas.

A resposta padrão de "Não comentamos relatos estrangeiros" é uma maneira de manter uma postura oficial de sigilo e evitar a divulgação de informações sobre suas operações. Essa abordagem é projetada para proteger a segurança nacional e manter uma vantagem estratégica, pois comentar publicamente sobre eventos específicos pode ter implicações diplomáticas e de segurança.

Fonte/Créditos: Da redação

Comentários: