Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Comunidade

Brasil festeja 115 anos da imigração japonesa

Os primeiros imigrantes japoneses que vieram para o Brasil eram, em sua maioria, camponeses

Brasil festeja 115 anos da imigração japonesa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Os primeiros imigrantes japoneses que vieram para o Brasil eram, em sua maioria, camponeses de regiões pobres do norte e sul do Japão, que buscavam trabalho na agricultura brasileira

115 anos da imigração japonesa ao Brasil, um marco histórico e simbólico que representa a contribuição desse grupo étnico para a formação e desenvolvimento do país. A partir da chegada do navio Kasato Maru, em Santos, em 1908, até os dias atuais, a presença dos descendentes dos imigrantes japoneses no Brasil é notória, seja na cultura, economia ou política do país.

Japoneses deixando Santos em direção a São Paulo
Emigrantes japoneses deixam porto em direção a São Paulo

 

No dia 18 de junho de 2023, completar-se-ão os 115 anos da imigração japonesa ao Brasil, um marco histórico e simbólico que representa a contribuição desse grupo étnico para a formação e desenvolvimento do país.

A partir da chegada do navio Kasato Maru, em Santos, em 1908, até os dias atuais, a presença dos descendentes dos imigrantes japoneses no Brasil é notória, seja na cultura, economia ou política do país.

Os primeiros imigrantes japoneses que vieram para o Brasil eram, em sua maioria, camponeses de regiões pobres do norte e sul do Japão, que buscavam trabalho na agricultura brasileira, principalmente na produção de café, que na época era a principal commodity brasileira.

Muitos japoneses trabalham nas lavouras e centros urbanos
Muitos japoneses trabalham nas lavouras e centros urbanos

 

O fluxo imigratório dessa nacionalidade cresceu rapidamente nas primeiras décadas do século XX, chegando a cerca de 160 mil pessoas entre 1918 e 1940.

Os imigrantes japoneses se fixaram principalmente no Estado de São Paulo, onde já havia colônias e bairros tipicamente japoneses, mas também se espalharam por todo o território brasileiro.

A adaptação no Brasil, porém, não foi fácil, já que os imigrantes tiveram que enfrentar dificuldades de língua, cultura, religião, clima e preconceito, além de contratos de trabalho muitas vezes desfavoráveis.

Hospedaria de emigrantes
Hospedaria de emigrantes

Mesmo assim, os japoneses conseguiram superar tais obstáculos, e muitos decidiram se estabelecer definitivamente no Brasil.

Durante a Segunda Guerra Mundial, porém, os japoneses sofreram com a proibição de entrada no país e a repressão de sua cultura, visto que o Brasil apoiou o grupo dos aliados e o Japão fez parte do grupo do eixo.

Depois desse período difícil, as leis que prejudicavam os japoneses foram extintas, e o fluxo imigratório voltou a crescer.

Muitos japoneses trabalham nas lavouras e centros urbanos, ingressando na indústria, comércio e prestação de serviços. Eles trouxeram sua arte, costumes, língua, crenças e conhecimentos que uniram diferentes culturas no país.

Nos tempos modernos, os descendentes de japoneses no Brasil se tornaram parte da cultura brasileira e contribuíram grandemente para o desenvolvimento econômico do país.Muitos japoneses trabalham nas lavouras e centros urbanos, ingressando na indústria, comércio e prestação de serviços. Eles trouxeram sua arte, costumes, língua, crenças e conhecimentos que uniram diferentes culturas no país.

Escultura que celebrou os 80 anos da chegada dos japoneses no Brasil em SP

O Brasil é atualmente o país que mais abriga imigrantes japoneses, que já fazem parte da história e do futuro da nação.

Em Brasília, Takashi Yamanishi ainda criança e os pais. O pai e a mãe dele – ambos filhos de imigrantes – mantiveram presente, na criação do filho, o idioma, a cultura e a culinária do Japão. — Foto: Arquivo pessoal
Em Brasília, Takashi Yamanishi ainda criança e os pais. O pai e a mãe dele – ambos filhos de imigrantes – mantiveram presente, na criação do filho, o idioma, a cultura e a culinária do Japão. — Foto: Arquivo pessoal
Takashi Yamanishi, 27 anos, é estudante de biologia na Universidade de Brasília (UnB) e faz parte da terceira geração de descendentes japoneses. — Foto: Takashi Yamanishi/Arquivo pessoal
Waldemar Hiroshi Umeda (ao centro), familiares e amigos ao receber comenda ‘Ordem do Sol Nascente, Raios de Ouro e de Prata’ — Foto: Embaixada do Japão/Divulgação

 

 

Foto de Gildo Ribeiro

Comentários: