Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Comunidade

RPJ-Nissan instalou câmera para monitorar a casa do número 2

Ashwani Gupta, diretor de operações da Nissan, fala durante entrevista coletiva na fábrica da Nissan em Sunderland, em Sunderland, Grã-Bretanha

RPJ-Nissan instalou câmera para monitorar a casa do número 2
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

REUTERS

A Nissan instalou um sistema de câmeras de vigilância na casa do ex-executivo Ashwani Gupta para que a equipe de segurança interna da montadora pudesse monitorá-lo, de acordo com os resultados preliminares de uma investigação sobre a vigilância, disseram duas pessoas com conhecimento do relatório.

A Nissan está investigando uma alegação de que o presidente-executivo Makoto Uchida realizou vigilância do segundo em comando da montadora para obter vantagem para removê-lo da empresa por causa da oposição de Gupta a alguns termos em um novo acordo de parceria com a Renault, informou a Reuters no sábado .

Os diretores da Nissan foram informados sobre as descobertas preliminares da investigação sobre a alegação de vigilância do escritório de advocacia americano Davis Polk & Wardwell em uma reunião do conselho em 20 de junho na sede da empresa em Yokohama, disseram as duas pessoas.

O relatório preliminar disse que a Nissan instalou dois conjuntos de câmeras de segurança na entrada da casa de Gupta no distrito de Shibuya, em Tóquio, disseram as pessoas.

Ele disse que o primeiro sistema era para uso por uma empresa de segurança privada, enquanto o segundo sistema foi configurado para acesso pela equipe de segurança interna da Nissan para monitorar Gupta, disseram as duas pessoas.

O relatório do escritório de advocacia dos EUA não ofereceu uma conclusão sobre se o uso de câmeras pela Nissan para monitorar Gupta era ilegal, nem detalhou se Gupta estava ciente do monitoramento, disseram as duas pessoas.

A Reuters não conseguiu determinar quando as câmeras foram instaladas ou o nome da empresa de segurança privada.

Uchida e Gupta, que ainda era diretor e diretor de operações da Nissan em 20 de junho, foram dispensados ​​da reunião do conselho. Um relatório final sobre a investigação, que começou no final de maio a pedido dos diretores independentes da Nissan, era esperado para julho, disseram as duas pessoas.

A Nissan disse que não poderia comentar sobre as investigações em andamento e se recusou a disponibilizar os executivos para comentários.

Davis Polk não respondeu a um pedido de comentário.

PARTIDA SURPRESA

De acordo com a lei japonesa, uma empresa pode monitorar as comunicações em telefones e computadores corporativos e investigar a conduta de um funcionário fora do trabalho para proteger seus interesses comerciais, disse Akira Takeuchi, advogado e examinador de fraude certificado em Tóquio, enfatizando que ele estava falando em geral e não sobre a Nissan. .

As descobertas preliminares apresentadas ao conselho não oferecem uma conclusão sobre a alegação do consultor sênior Hari Nada em uma carta aos diretores independentes da Nissan de que Uchida desempenhou um papel na vigilância, disseram as duas pessoas.

A Nissan anunciou no início deste mês que Gupta, 52, deixaria a empresa em 27 de junho, dia da reunião anual de acionistas da montadora, para buscar outras oportunidades.

A Nissan havia dito em maio que Gupta, que era diretor de operações desde 2019 e era amplamente visto como um possível sucessor de Uchida, não seria reconduzido ao conselho.

Em sua carta de abril, Nada disse que a Nissan revisou as alegações sobre a conduta de Gupta na semana de 10 de abril e que ele havia sido convidado a renunciar. Três pessoas com conhecimento direto do assunto disseram que isso estava relacionado a uma alegação de assédio contra Gupta por parte de uma funcionária.

Em sua carta, Nada pediu que um escritório de advocacia internacional fosse contratado para investigar a vigilância de Gupta. Ele também disse que o escritório de advocacia deve investigar as circunstâncias em torno da investigação sobre a conduta de Gupta, se o resultado foi predeterminado e o envolvimento de Uchida.

Em seu relatório apresentado ao conselho, Davis Polk disse aos diretores da Nissan que parecia que o comitê de auditoria da empresa havia usado sua autoridade investigativa de maneira arbitrária ao aceitar a queixa contra Gupta da maneira que fez, disseram as fontes.

NOVA PLACA

Em outro relatório sobre as alegações sobre a conduta de Gupta apresentadas ao conselho, o escritório de advocacia japonês Iwata Godo ofereceu uma visão sobre a questão mais restrita de saber se as ações do comitê de auditoria eram legais, disseram as pessoas.

Iwata Godo disse que não há evidências de que o comitê ou seu chefe, Motoo Nagai, tenha agido ilegalmente ao lidar com a queixa contra Gupta, disse a pessoa.

Takashi também foi recusado na reunião da semana passada, na qual foram discutidas as alegações de vigilância e assédio. A Nissan se recusou a disponibilizá-lo para comentários.

Iwata Godo não respondeu a um pedido de comentário.

A Reuters não conseguiu determinar se algum dos escritórios de advocacia havia feito alguma descoberta sobre a alegação de assédio em si, além de como ela foi tratada. Nada disse em sua carta que entendia que o escritório de advocacia japonês Anderson Mori & Tomotsune havia investigado a reclamação.

Anderson Mori & Tomotsune se recusou a comentar.

Em fevereiro, a Nissan e a Renault anunciaram os termos de uma nova parceria sob a qual a montadora japonesa compraria até 15% de uma unidade de veículos elétricos que a Renault está desmembrando, enquanto a montadora francesa reduziria sua participação de 43% na Nissan.

Executivos seniores da Renault viam Gupta como desacelerando ou bloqueando a conclusão do novo acordo de aliança, disse uma pessoa com conhecimento da posição da Renault.

Na terça-feira, os acionistas da Nissan elegeram 10 diretores, incluindo Uchida, para o conselho. Gupta participou da reunião naquele que foi seu último dia com a Nissan.

Quando um acionista perguntou a Gupta como ele via seu tempo na Nissan, Uchida respondeu em seu nome dizendo que o executivo havia contribuído muito para projetos como o plano estratégico da montadora.

Fonte/Créditos: REUTERS

Comentários: