Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Saúde

Número Acumulado de Mortes por Coronavírus Ultrapassa 100 Mil no Japão

Estatísticas do Ministério da Saúde Revelam Impacto Continuado da Pandemia e Enfatizam Necessidade de Cautela

Número Acumulado de Mortes por Coronavírus Ultrapassa 100 Mil no Japão
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O número acumulado de mortes devido ao novo coronavírus no Japão ultrapassou a marca de 100.000 desde o início do surto em 2020, conforme revelam as Estatísticas Vitais de 2023 (números aproximados) divulgadas pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar no dia 5 de junho.

Somente em 2023, foram registradas 38.080 mortes. Embora o Japão tenha conseguido suprimir o aumento rápido de mortes em comparação com países como os Estados Unidos e as nações europeias, os idosos e aqueles com problemas de saúde subjacentes continuam a enfrentar alto risco. Especialistas alertam para a possibilidade de novas ondas epidêmicas e recomendam cautela.

O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar classifica as causas de morte com base nos atestados de óbito fornecidos pelos médicos. Pela primeira vez, foi separado o número de mortes em que a vacina contra o novo coronavírus foi considerada a causa, distinta da infecção pelo vírus.

Em 2023, foram registradas 37 mortes atribuídas à vacina, enquanto em 2022, o número foi de 23, totalizando 60 mortes. No entanto, o painel de peritos do Ministério, que examina a relação entre vacinas e mortes de uma perspectiva médica, concluiu até agora que, em apenas dois casos, não se pode negar a relação causal com a vacinação.

Até o final de maio, foram aprovados 596 pedidos de benefícios globais por morte e despesas funerárias no âmbito do Sistema de Alívio de Danos à Saúde por Vacinação, que visa proporcionar alívio imediato. Esses números refletem a continuidade dos esforços para enfrentar as consequências da pandemia e a importância de manter medidas de proteção, especialmente para as populações mais vulneráveis.

Fonte/Créditos: Da redação

Comentários: