Portal RPJNEWS

MENU

Notícias / Policial

BRASILEIRA PRISCILA SANTOS E NAMORADO ROBERTO ISHII REVELA EM ENTREVISTA O TRAUMA VIVIDO NO ACIDENTE

Advogado Toma Ação e Tratamento Psicológico:Justiça Exigirá Compensação de Casal Japonês em Processo

BRASILEIRA PRISCILA SANTOS E NAMORADO ROBERTO ISHII REVELA EM ENTREVISTA O TRAUMA VIVIDO NO ACIDENTE
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Promovendo a Conscientização Contra a Xenofobia 

É absolutamente crucial reconhecer o valor que os estrangeiros agregam ao Japão. A sociedade japonesa deve, sem dúvida alguma, abraçar a diversidade de forma incontestável e criar um ambiente de respeito e inclusão que seja inquestionável para todos.

Incidentes de xenofobia, como o caso de Priscila Santos, mostram o dano que essa ameaça causa. É vital que autoridades e a população japonesa estejam conscientes desses problemas.

Protegendo os Direitos dos Estrangeiros

A RPJ está se destacando na defesa dos estrangeiros, concentrando seus esforços com firmeza na comunidade brasileira, denunciando injustiças de forma incisiva e apoiando sua busca por justiça. Coletivamente, eles estão impulsionando uma transformação essencial no Japão, rumo a uma nação mais inclusiva e justa, onde a origem de cada indivíduo seja completamente irrelevante para viver em harmonia.

Veja nova entrevista com Priscila e o relato do namorado Roberto Ishii


Em uma entrevista recente, Toshio Sudo revelou sua extrema preocupação com a saúde mental de Priscila, enfatizando que ela buscou ajuda médica sob a orientação de seu advogado. O diagnóstico de sintomas de síndrome do pânico foi avassalador. Adicionalmente, o casal de japoneses está prestes a receber uma notificação legal, imposta com rigor pela justiça, exigindo uma compensação relacionada ao processo em andamento. Neste período, Toshio Sudo tem desempenhado um papel crucial, não só acompanhando de perto o estado de saúde de Priscila, mas também sendo uma âncora essencial em seu tratamento psicológico.

Comentários: